Vai começar o Campeonato Catarinense 2016

O Campeonato Catarinense de 2016 não recebe tanto destaque quanto ao do ano passado, principalmente pelo fato dos rebaixamentos de Avaí e Joinville da série A do Brasileirão, assim como o enfraquecimento dos clubes menores do estado. Apesar disso, difícil vai ser as equipes cometerem as mesmas gafes que o Leão e o Coelho cometeram ao escalarem jogadores irregulares, fator decisivo para mais um título do Figueirense no Tapetão. Abaixo, aponto os destaques, os reforços e como chegam as equipes para esta competição:

Avaí: afundado em dividas e uma péssima gestão, o Avaí entra com sérios problemas na competição. Jogadores que saíram ainda estão esperando receber, assim como alguns que permaneceram e os garotos da base promovidos ao time principal. Chegou a perder Phillipe Maia, Eltinho e Roberto por não depositar três meses de FGTS, assim como os principais atletas do elenco, como Anderson Lopes, Léo Gamalho, André Lima e Nino Paraíba, que não quiseram renovar e seguiram os seus destinos. Nos últimos dois anos o time brigou contra o rebaixamento no Catarinense, e apesar de as coisas estarem piores na Ressacada, acredito que o time deste ano fará uma campanha um pouco mais digna, mas sem briga por título. O craque Marquinhos, que fez uma cirurgia no joelho direito no final do ano passado, provavelmente não terá condições de jogar o Catarinense deste ano.Os principais reforços do time foram: Renan (goleiro, ex-Botafogo), João Felipe (zagueiro, ex-Fluminense), Diego Jardel (retornando de empréstimo), Renato (lateral, ex-Fluminense), Vítor Costa (lateral, ex-Bahia), André (zagueiro, ex-América MG), Judson (volante, ex-América RN), Rafinha (volante,ex-Fluminense) e Lucas Fernandes (atacante, ex-Luverdense).

Craque do time: Sem Marquinhos, William, que foi uma das poucas estrelas do ano passado a permanecer, é o craque e matador do time.

Promessa: Caio César, meia de muita velocidade, criatividade e marcação.


Brusque: Campeão da segundona do catarinense ano passado, chega com moral renovada. O grupo conta com jogadores experientes em Campeonato Catarinense, começando pelo treinador Mauro Ovelha, João Paulo (goleiro, ex-JEC), Arlan (lateral, ex-Avaí), Aélson (lateral, ex-Avaí), Cleyton (zagueiro, ex-Avaí), Neguette (zagueiro, ex-Marcílio), Carlos Alberto (volante, ex-Figueirense), Cambará (meia, ex-Paraná), Eliomar (meia, ex-Figueirense), Potita (atacante, ex-Chapecoense), Giancarlo (atacante, ex-Criciúma) e o ídolo Eydison. Acho que o Brusque é que está mais preparado para fazer uma boa competição entre os chamados "pequenos".

Craque do time: Eydison, o matador da equipe.

Promessa: Adãozinho, lateral esquerdo de muita velocidade.


Camboriú: Com o técnico mais novo do campeonato, Rony de Aguillar, o Camburiú mescla jogadores jovens e rodados. A base da equipe vice-campeã da Série B do Catarinense em 2015 foi mantida, e alguns reforços pertenceram a equipes catarinense em outras edições. Os destaques do time são: Rodrigo Rocha (goleiro, ex-Guarani), Vitor Hugo (zagueiro, ex-Avaí), Alessandro Lopes (zagueiro, ex-Atlético Paranaense), Thoni (lateral, ex-Marcílio), Badé (lateral, ex-Chapecoense), Xipote (volante, ex-Marcílio), Eurico (volante, ex-Brusque), Hegon (meia, ex-Avaí), Brasão (atacante, ex-Atlético Ibirama), Cadú (atacante, ex-Bahia) e Aldair (atacante, ex-JEC). Assim como o Brusque, vem com moral para a competição, e ao meu ver, dificilmente irá cair, mas também não brigará pelo título.

Craque do time: Hegon, meia ambidestro, formado nas categorias de base do Avaí, que fez um ótimo Catarinense em 2015, quando jogou pelo Guarani.

Promessa: Luiz Renan, zagueiro formado na base do Avaí, que teve poucas chances no Leão e com apenas 20 anos tem tudo para se firmar no Camboriú.


Chapecoense: O time catarinense de melhor campanha nos últimos dos Brasileirões, que não possui dívidas, e que tem um planejamento eficiente, sem dúvidas é o grande favorito. Além disso, manteve a boa base do elenco do ano passado, que encerrou o ano sendo comandado por Guto Ferreira. As únicas perdas significantes para o time foi o meia Camilo (Al-Shabab), o lateral Apodi (Kuban), o atacante Túlio de Melo (Sport) e o atacante Tiago Luís (América MG). Em compensação, bons reforços chegaram: Marcelo Boeck (goleiro, ex-Sporting Lisboa), Marcelo (zagueiro, ex-Flamengo), Gimenez (lateral, ex-Goiás), Alaníz (meia, ex-River Plater URU), Josimar (volante, ex-Internacional), Silvinho (atacante, ex-JEC) e Kempes (atacante, ex-JEC). Conquistou a competição pela última vez em 2011.

Craque do time: Cléber Santana, maestro da equipe.

Promessa: Gimenez, lateral direito que teve uma boa passagem pelo Goiás em 2015.


Criciúma: Reformulado, o time para a competição é uma incógnita. É o time mais jovem do Campeonato, formado por garotos da base do Tigre e pouquíssimos jogadores experientes. Contudo, o planejamento do time do sul do estado é subir para a Série A, com isso há expectativa de reforços durante o estadual, já formando um grupo para disputar a Série B. Roberto Cavalo continua no cargo e tem toda a confiança da nova presidência. Os principais reforços foram: Diego Giaretta (zagueiro, ex-Botafogo), Wellington Saci (lateral, ex-JEC), Ricardinho (volante/lateral, ex-Paraná), João Afonso (volante, ex-Internacional), Élvis (meia, ex-Botafogo) e Lucas Crispim (meia, ex-JEC).

Craque do time: Luiz, goleiro ex-São Caetano, que foi um dos poucos que se destacou na Série B de 2015 e teve seu contrato renovado.

Promessa: Barreto, um volante completo, que foi muito bem na temporada de 2015.


Figueirense: Assim como a Chapecoense, o Figueirense se manteve na Série A do Brasileirão, perdeu poucas peças chave do time, porém não o vejo com o mesmo favoritismo pois um motivo: os reforços que chegaram para o lugar do jogadores que perdeu são bem inferiores. Para quem perdeu Alex Muralha (Flamengo), Thiago Heleno (Atlético Paranaense), Sueliton (Goiás), Rafael Bastos (América MG), Fabinho (Internacional), Juninho (Goiás), Marcão (Al-Shabab) e João Vítor (Ponte Preta), recebeu em troca: Gatito Fernández (goleiro, ex-Vitória), Jackson Caucaia (volante, ex-Náutico), Rodrigo Biro (lateral, ex-ABC), Jocinei (volante, ex-Bragantino), Guilherme Queiroz (atacante, ex-Portuguesa) e Éverton Santos (atacante, ex-Ulsan). É a segunda força do campeonato.

Craque do time: Carlos Alberto, meia que resolveu renovar com o clube, mas que ainda precisa comprovar seu custo benefício, já que recebe um salário alto e recebe muitos cartões e sofre com lesões.

Promessa: Bruno Dybal, meia veloz e criativo, que teve poucas chances ano passado e agora pode brilhar.


Guarani de Palhoça: apesar de acertar na contratação de um dos melhores técnicos da história do Catarinense, Sérgio Ramirez, esse é um dos grandes candidatos ao rebaixamento. O time, que caiu ano passado, mas herdou a vaga através da desistência do Atlético de Ibirama, começa atrás também na preparação, já que os outros clubes começaram mais cedo a capacitação física e os treinamentos. Contudo, pode surpreender. Os principais reforços foram: Thiago Rodrigues (goleiro, ex-Paraná), Kaike (lateral, ex-São Bernardo), Dema (lateral/volante, ex-Juventude), Capa (lateral, ex- Ibirama), Baggio (zagueiro, ex-Hercílio Luz), Ernesto (meia, ex- União Barbarense), Alex Maranhão (meia, ex-Sampaio Corrêa), Jackson (volante, ex-Criciúma), Diego Oliveira (meia, ex-Criciúma) e Hélio Paraíba (atacante, ex-Icasa).

Craque do time: Alex Maranhão, meia muito criativo, que já teve boas passagens por times do interior paulista.

Promessa: Ernesto, volante de bom passe, visão de jogo e que sabe usar bem as duas pernas.


Inter de Lages: Sem o mesmo investimento e as estrelas de 2015, o Inter também é uma incógnita pra esse ano. Dos grandes destaques o Catarinense passado, ficaram o volante Michel Schmoller e o atacante Valdo Bacabal. Em minha opinião, fará uma competição mediana, não sendo ameaçado pelo rebaixamento. Os reforços do time são: Neto (goleiro, ex-Figueirense), Weriton (lateral, ex-Santos), Petterson (zagueiro, ex-União Barbarense), Fernando (volante, irmão de Carlos Alberto), André Gava (meia, ex-Criciúma), Everton Jr. (atacante, ex-Grêmio) e Isac (atacante, ex-América RN).

Craque do time: Apesar de toda a rodagem de Fernando, irmão de Carlos Alberto, acredito que a grande estrela do time será Isac, um atacante com faro de gol, que jogou em muitos clubes do Brasil e da Ásia.

Promessa: Weriton, lateral habilidoso e veloz.


Joinville: Um pouco abaixo de Chapecoense, e Figueirense, respectivamente, o Joinville aparece como a "terceira força" do estadual. O time, que fez uma campanha pífia no Brasileirão de 2015 e caiu para a Série B, era uma equipe fraca para a elite, mas forte para uma Segundona. Tendo isso em vista, a manutenção de grande parte do elenco torna o JEC uma potência para o Estadual, sendo então um dos favoritos. Saíram: Marcelinho Paraíba (Oeste), Ricardo Bueno (Oeste), Kempes (Chapecoense), Rogério (Linense), Oliveira (Linense), Guti (Futebol Polonês) e Marcelo Costa (Paysandú). Quem chegou foi: Diones (volante, ex-Sampaio Corrêa), Diego Felipe (meia, ex-Avaí), Thomas (atacante, ex-Flamengo), Vitor Oliveira (zagueiro, ex-Fluminense) e Felipe Alves (atacante, ex-Boa). 

Craque do time: o goleiro Agenor, que dispensa apresentações.

Promessa: William Popp, atacante que sabe jogar pelas pontas, é muito veloz e mostrou sua qualidade em algumas partidas em 2015.


Metropolitano: O time que sempre vem sendo considerado o maior entre os menores do estado, vem com um orçamento bem reduzido. Nos últimos anos o time de Blumenau sempre disputou vaga nas finais do campeonato, e para ter sucesso neste desafio, Valdir Espinosa foi contratado para comandar o grupo. É um time que pode surpreender, pois muitos atletas são desconhecidos do futebol catarinense, mas primeiramente eu aponto como um candidato ao rebaixamento. Confira quem chegou ao clube: Everton (goleiro, ex-Tricordiano), Thiago Ryan (lateral, ex-Bonsucesso), Iago (lateral, ex-Madureira), Luan (zagueiro, ex-Avaí), Willian rodrigues (zagueiro, ex-Coritiba), Diego Souza (meia, ex-Juventude), Pink (volante, ex-Cuiubá), Peu (meia, ex-Santos Laguna), Bruno Brito (meia, ex-Tigres), Téssio (meia, ex-Treze) e Rafinha (atacante, ex-Flamengo).

Craque do time: Sem grandes nomes, Rafinha é o mais conhecido. Surgiu de maneira arrasadora no Flamengo, mas foi emprestado para times da Ásia e agora retornou ao Brasil para ressurgir no Metrô.

Promessa: Peu, meia de muita qualidade, formado na base de Fluminense, e que recentemente estava no México.


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: