Top 10 Melhores Jogadores da História da Romênia

10 - Dorinel Munteanu: Andarilho, foi um meia central de muita mobilidade, mas que também marcava muito bem e tinha um ótimo passe. Iniciou sua longa jornada futebolística no pequeno Metalul Bocsa, rodando por alguns clubes de menor expressão até chegar ao Dinamo Bucareste, onde brilhou no título do Campeonato Romeno 1992. Na sequência, passou dois anos no Cercle Brugge da Bélgica e em 1995 foi para a Alemanha, onde teve ótima performance e conquistou os torcedores com sua raça e dedicação, jogando quatro anos no Colônia e mais quatro no Wolfsburg. No ano de 2003, retornou à Romênia, atuando pelo Steaua Bucareste (Campeão Romeno em 2005), pelo Cluj, FC Arges e Vaslui, sendo treinador e jogador ao mesmo tempo (abandonou os gramados em 2009, aos 40 anos). Por sua seleção, Munteanu disputou as Eurocopas de 1996 e 2000, além dos Mundiais de 1994 e 1998. O ex-meia é o jogador com o maior número de atuações pela Romênia, somando 134 partidas. No momento Dorinel está desempregado, mas seu mais recente trabalho foi no Astra Giurgiu.


9 - Florin Rãducioiu: Atacante de movimentação, habilidade e boa finalização, nasceu em Bucareste e iniciou sua carreira em dos maiores clubes da sua cidade, o Dinamo. Foram cinco anos no time da capital, participando das conquistas do Campeonato Romeno 1990 e das Copas da Romênia 1986 e 1990. Na final do Campeonato Romeno de 1990, Florin fez um hat-trick diante do maior rival do Dinamo, o Steaua. Em seguida, transferiu-se para o Bari, realizando uma boa temporada. Trocou de clube no ano seguinte, tendo um fraco desempenho no Verona. Nova temporada e novo clube em 1992, recuperando sua boa forma no Brescia. Com o ótimo desempenho na série B italiana, chegou ao Milan em 1993, onde teve uma performance razoável e conquistou o Campeonato Italiano e a Liga dos Campeões. Finalmente, no ano de 1994, Raducioiu conseguiu engatar duas temporadas em um clube,  foi no Espanyol de Barcelona. Em seguida, foi emprestado por um ano ao West Ham, e ainda rodou por Stuttgart, Brescia, Dinamo Bucareste, Monaco e Créteil, tornando-se o primeiro jogador a atuar nas cinco grandes ligas europeias (Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália). Aposentou-se em 2004. Pela Seleção Romena, Raducioiu marcou 21 gols em 40 jogos, tendo notável destaque na Copa do Mundo de 1994, quando marcou quatro gols e ajudou a equipe a chegar às quartas de final da competição, a melhor campanha da história da Romênia. Esteve presente também no Mundial de 1990, mas ficou no banco apenas.


8 - Dan Petrescu: Podia jogar como lateral direito, zagueiro ou volante, mas sempre destacava-se por apoiar com muita eficiência, marcando belos gols e dando assistências precisas. Teve uma grande participação na Copa de 1994, marcando o importante gol da vitória de 1x0 sobre os donos da casa, os Estador Unidos. Também esteve no Mundial de 1998, na França e nas Eurocopas de 1996 e 2000. Completou 95 jogos pela Romênia, anotando doze gols. Iniciou sua carreira no Steaua Bucaresti, o clube com o maior número de títulos no país. Foi campeão do Campeonato Romeno em três oportunidades, assim como da Copa da Romênia, e ainda ajudou o clube a chegar na final da Liga dos Campeões  1989, na qual o Steaua foi derrotado pelo Milan de Van Basten. Em 1991, saiu de sua terra natal para ir para a Itália, onde viveu duas ótimas temporadas no Foggia, e uma no Genoa. Após praticar um ótimo futebol na Copa do Mundo de 1994, transferiu-se para o Sheffield Wednesday da Inglaterra. Tendo boas exibições, foi contratado pelo Chelsea na temporada seguinte, onde viveu a melhor fase de sua carreira e tornou-se ídolo dos Blues. Sagrou-se campeão da Copa da Inglaterra 1997 e da Copa da Liga 1998, além de marcar importantes gols ao longo dos cinco anos e 152 jogos pela equipe londrina. Ainda na "Terra da Rainha" Petrescu atuou pelo Bradford e Southampton. Por fim, disputou sua última temporada da carreira pelo Nacional de Bucareste em 2003. Desde então, Dan vem tendo sucesso como técnico de futebol, comandando equipes como Rapid Bucareste, Wisla, Unirea, Kuban, Dinamo de Moscou e atualmente comando o Jiangsu da China.


7 - Viorel Moldovan: Veloz, cabeceador e oportunista, esse atacante era um perigo dentro da grande área. Por pouco não participou da Copa do Mundo de 1994, já que esteve na lista de alternativas para o ataque do técnico Iordanescu, porém foi preterido na convocação final. Já na edição de 1998, foi convocado e marcou dois gols. Também esteve nos elencos das Euros 1996 e 2000, somando 25 gols e 70 atuações ao todo pela Romênia. Começou sua carreira no Gloria Bistrita e em 1993 mudou-se para o Dinamo Bucareste, onde ganhou fama no país e fez duas grandes temporadas. Na sequência, jogou por um ano no Neuchâtel Xamax da Suíça e logo depois no Grasshoppers, conquistando o seu primeiro título, o Campeonato Suíço. Suas atuações nos dois times suíços foram incríveis, tanto é que Moldovan foi o artilheiro e melhor jogador do campeonato dois anos seguidos (1995/1996 e 1996/1997). Em 1998, transferiu-se ao Coventry City, mas após dez partidas resolver sair do time e acertar com o Fenerbahçe, realizando duas boas temporadas na Turquia. Seu próximo time foi o Nantes, sendo este o clube onde Viorel ficou por mais tempo, quatro anos, marcando 32 gols, conquistando o Campeonato Francês 2000/2001 e tornando-se um grande ídolo da torcida. Antes de anunciar sua aposentadoria em 2007, ainda jogou por Servette e Rapid Bucareste, sagrando-se campeão de duas Copas da Romênia com este último. Como treinador, comandou apenas clubes romenos e foi assistente técnico da seleção nacional.


6 - Adrian Mutu: Uma das maiores promessas do mundo no início dos anos 2000, é um jogador de muita velocidade, habilidade e poder de finalização. Foi revelado pelo FC Arges, mas ganhou destaque no Dinamo Bucaresti ao ser campeão romeno da temporada 1999/2000 e ao marcar 22 gols em 33 jogos. Foi vendido para a Inter de Milão, onde ao chegar já marcou um gol no clássico contra o Milan. Contudo, ao não repetir o bom futebol da estreia nas próximas oportunidades que teve, foi repassado ao Verona, fazendo duas temporadas razoáveis. Acertou com o Parma na temporada 2002/2003, tendo imenso sucesso ao lado de seu amigo Adriano Imperador no ataque. O time terminou o campeonato na quinta colocação e Mutu marcou dezoito gols, sendo o vice artilheiro da Serie A. Abramovich desembolsou quase 23 milhões de euros para levar o romeno para o Chelsea, e ao chegar em Londres, Adrian anotou quatro gols em três partidas. Assim como aconteceu na Inter, Mutu parou de marcar gols e acabou o ano no banco de reservas. Com a chegada de Mourinho ao clube inglês, o atacante teve problemas de relacionamento com o treinador e alguns dirigentes, e para piorar, foi pego no exame antidoping (cocaína) e levou uma suspensão de sete meses. Tendo seu contrato finalizado com o Chelsea após as turbulências, assinou com a Juventus cinco meses antes de ter sua volta aos gramados liberada pela FIFA. Participou de dois títulos em duas temporadas pela "Juve", mas não conseguiu atuar em muitas partidas. Em 2006, transferiu-se para a Fiorentina, onde viveu sua melhor fase da carreira. Ao lado de Luca Toni, marcou dezesseis gols e deu oito assistências na temporada 2006/2007, sendo eleito o melhor jogador do Campeonato Italiano. Apesar de não conquistar títulos na "Viola", Adrian tornou-se o grande ídolo do período no clube, somando mais de 80 gols pela equipe de Florença. Novamente, desta vez em 2009, Mutu falhou em um exame antidoping, pegando mais seis meses de suspensão. Ao sair da Fiorentina em 2011, teve passagens por Cesena, Ajaccio, Petropul e Pune City (Índia). Chegou a anunciar que estava se aposentando, mas ao receber uma proposta do Targu Mures, da Romênia, no início de 2016, assinou contrato de uma temporada com o time. Pela Seleção Romena, o craque nunca conseguiu disputar uma Copa do Mundo, já que sua primeira convocação foi em 2000 e o último mundial em que a Romênia se classificou foi 1998, porém esteve em campo em duas Eurocopas (2000 e 2008). Ao lado de Hagi, é o maior artilheiro da história de sua seleção, somando 35 gols em 77 partidas.


5 - Dudu Georgescu: Maior artilheiro da história do Campeonato Romeno, com 252 gols anotados. Georgescu era um atacante de muita mobilidade, que podia jogar como meia e até ponta. Desfilava sua habilidade nos gramados romenos, com dribles desconcertantes, passes precisos e finalizações certeiras. Com apenas onze anos de idade, ingressou nas categorias de base do pequeno Progresul Bucareste. Estreou em 1969 e um ano depois, aos vinte anos de idade, foi o craque do time na conquista da segunda divisão do Campeonato Romeno. Foi contratado em 1973 pelo CRM Resita, onde atuou por apenas dois meses e encantou o país com sete gols em doze jogos, recebendo uma ótima proposta do Dinamo Bucareste, seu novo destino. Tornou-se um dos maiores ídolos da história do time da capital, conquistando nada menos que quatro vezes o Campeonato Romeno, além de ser o artilheiro do mesmo em quatro oportunidade (por duas vezes ganhou a chuteira de ouro, sendo o jogador que mais marcou gols dentre todas as ligas da Europa). Após dez anos no Dinamo, sofrendo com muitos problemas de lesão nos últimos anos na equipe, rodou por Bacau, Gloria Bazau, Unirea e outros times menores da Romênia, até anunciar sua aposentadoria em 1988. Pela Seleção Romena, Dudu não conseguiu disputar nenhuma Copa do Mundo, mas teve boas atuações individuais, com 21 gols marcados em quarenta aparições.


4 - Ilie Balaci: Capitão da Romênia na Eurocopa de 1984, foi um meia completo, que tinha bons chutes, passes, sabia driblar e marcar. Obteve 65 internacionalizações por sua seleção, anotando oito gols. Em clubes, Balaci tornou-se o grande ídolo do Universitatea Craiova, equipe pela qual conquistou o Campeonato Romeno nas temporadas 1973/1974, 1979/1980 e 1980/1981. Logo após as grandes exibições de sua última conquista pelo Universitatea, recebeu uma proposta para jogar no Milan, mas devido ao regime comunista romeno não teve permissão para sair do país. Ilie também jogou por Olt Scornicesti e Dinamo Bucareste, antes de se aposentar em 1988. Ao tornar-se técnico, o romeno conquistou alguns títulos com times do oriente médio, como o Al Nassr e o Al Ain. Balaci é pai da tenista Liana Ungur.


3 - Gheorghe Popescu: Zagueiro de muita técnica, de bom posicionamento e com um grande espírito de liderança, iniciou no Universitatea Craiova, mostrando também aptidão para marcar muitos gols. Foi emprestado em 1988 para o Steaua, onde conquistou seus primeiros e únicos títulos em seu país, o Campeonato Romeno e a Copa da Romênia. Ao retornar para o Craiova, com mais experiência, teve ótimo desempenho individual, recebendo então uma boa proposta do PSV, culminando em uma mudança para a Holanda. Em Eindhoven, Popescu teve quatro grandes anos, sendo peça importante no time de Sir Bobby Robson que faturou o Campeonato Holandês duas vezes (1990/1991 e 1991/1992). Na temporada 1994/1995, Gheorghe transferiu-se para o Tottenham, que vinha em baixa na Inglaterra, mas que conseguiu ter um ano razoável com o romeno na equipe. Por três milhões de euros, acertou com o Barcelona em 1995, tendo a dura missão de substituir Ronald Koeman. Permaneceu por dois anos no clube catalão, sendo capitão do time nas conquistas da Copa do Rei e da Copa da UEFA, ambas na temporada 1996/1997. Aos 30 anos de idade, resolveu trocar o Barça pelo Galatasaray, onde conquistou inúmeros troféus, como o da Copa da Turquia em duas oportunidades, o do Campeonato Turco três vezes consecutivas, o da Copa da UEFA 1999/2000 e o da Supercopa da UEFA consequentemente. Já veterano, atuou ainda por Lecce, Dinamo de Bucaresti e finalizou sua carreira em 2003, defendendo o Hannover. Pela Seleção Romena, Popescu disputou três mundiais (1990/1994/1998) e duas Eurocopas (1996 e 2000), completando 115 atuações e dezesseis gols anotados. Desde que se aposentou dos gramados, empresaria jogadores romenos. 


2 - Nicolae Dobrin: Com um excelente controle de bola, uma visão de jogo apurada e muita técnica, é considerado um dos maiores dribladores da história do futebol. Dobrin gostava de arrancar com a bola do meio de campo, entortando adversários, e dar assistências para seus companheiros. Jogou pelo FC Arges (time extinto em 2013) por 23 anos, sendo o grande maestro das duas grandes conquistas deste clube: o Campeonato Romeno 1971/1972 e 1978/1979. Teve um curto empréstimo ao Targoviste, onde atuou em apenas treze partidas, retornando ao Arges para encerrar a carreira em 1983. No auge de sua carreira, após uma partida entre Espanha e Romênia, onde Nicolae anotou um belo gol e fez uma ótima partida, encantando o presidente do Real Madrid, recebeu uma proposta do clube espanhol, na qual interessou muito o meia. Por causa do regime comunista romeno, Dobrin não pode se transferir para o Real Madrid, sendo esta a maior frustração da carreira do craque. Pela Seleção Romena, disputou 48 partidas e marcou seis gols. Como técnico, comandou o FC Arges várias vezes ao longo de sua carreira, começando em 1982 e terminando em 2001. Vítima de um câncer, Dobrin faleceu em 2007, aos 60 anos de idade. O estádio municipal de Pitesti, cidade natal de Nicolae, recebeu seu nome ao ser inaugurado.


1 - Gheorghe Hagi: Um dos maiores craques mundiais da década de 90, era um jogador muito habilidoso, que distribuía passes de muita qualidade, e que tinha um chute esquerdo espetacular. Seu estilo de jogo se assemelhava muito ao de Maradona, tanto é que seu apelido era "Maradona dos Cárpatos". É o maior artilheiro da história da Seleção Romena, ao lado de Mutu, com 35 gols marcados. Iniciou sua carreira no Farul Constanta, convivendo desde criança com problemas respiratórios e cardíacos. Em seus primeiros clubes, teve até que assinar um termo de responsabilidade, no qual assumia os riscos caso algo acontecesse com sua saúde dentro de campo. Foi para o Sportopul em 1983, tendo quatro grandes anos. Em seguida, assinou com o Steaua Bucareste, tornando-se uma lenda pelo time romeno. Anotou 76 gols em 97 jogos e conquistou três títulos seguidos do Campeonato Romeno. O clube da capital romena ainda chegou na final da Liga dos Campeões, mas não foi páreo para o poderoso Milan. Ao fim do calendário europeu, disputou a Copa do Mundo de 1990, mas teve atuações discretas. Seu próximo clube foi o Real Madrid, todavia sem conseguir obter uma sequência de jogos, acabou tendo dois anos irregulares na Espanha, e a equipe conquistou apenas uma Supercopa espanhola. Vendido ao pequeno Brescia, da segunda divisão italiana, Hagi fez uma ótima primeira temporada, conduzindo o time ao acesso para a Serie A. Contudo, na primeira divisão, o time fez uma campanha pífia e retornou à "segundona". Mas foi neste período, que ao ser o grande cérebro da Seleção Romena na Copa de 1994, que o meia ressurgiu no cenário mundial. Suas estupendas atuações conduziram a Romênia até às quartas de final da competição, eliminando as favoritas Colômbia e Argentina. Gheorghe marcou três gols neste torneio, mas sua liderança, seus dribles desconcertantes e seus chutes potentes foram o que mais chamaram a atenção. Ele foi eleito o melhor meia do torneio e integrou a Seleção da Copa. Retornou à Espanha para jogar no Barcelona, mas assim como no Real, não conseguiu se adaptar ao estilo de jogo, rendendo menos ainda no clube catalão, que tinha Cruyff como técnico e exigia que Hagi ajudasse na marcação. Em 1996, o romeno transferiu-se para o Galatasaray, onde foi o grande maestro do time que conquistou quatro vezes o Campeonato Turco e a Copa da UEFA 2000. Antes disso, teve mais uma boa participação na Copa do Mundo de 1998. Tornou-se uma lenda na Turquia, e é considerado um dos maiores ídolos do Galatasaray de todos os tempos. "Pendurou as chuteiras" em 2001, e em seguida já foi contratado pela Seleção Romena para ser o treinador da equipe. Em seu currículo como técnico de futebol, também comandou Steaua e o Galatasaray.


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: