Diário da Copa - Dia 16

Seleção da primeira fase:


Infelizmente só cabem onze jogadores em um time, portanto tive que deixar de fora jogadores como: Blind, Matuidi, Müller, Neymar, Dempsey, Lahm e Godín.

Como chegam os classificados:

Brasil: Não brilhou como era o esperado na primeira fase, mas foi eficiente. A cada partida deixa mais evidente seu problema na lateral direita, e caso Felipão não substitua Dani Alves por Maicon, vai sofrer muito pelo setor. Neymar, que quando teve espaço decidiu, nem sempre terá a brecha que existiu nos jogos de Camarões, que nada tinha a perder, e Croácia, que é uma equipe que joga futebol e não retranca. Fernandinho mudou o meio campo da Seleção Canarinho quando entrou e provavelmente deverá ser o titular daqui para a frente. Caso o meia não inicie o jogo, o Brasil terá dificuldades de fazer a bola chegar até seus atacantes, apelando para o chutão. Apesar da boa campanha do adversário, é o favorito.

Chile: É muito organizado e bem montado taticamente. Conta com jogadores velozes e versáteis. Alexis Sánchez e Vargas podem incomodar muito a defesa brasileira. A principal arma da Seleção Chilena deverá ser a chegada de seus volantes, Vidal e Aránguiz, como elemento surpresa ao ataque. Sua deficiência é a bola aérea, pois conta com o elenco mais baixo da Copa. Por ter um retrospecto de "freguês" diante do Brasil, pode jogar com uma "vontade a mais" no confronto.

Holanda: Fez uma campanha impecável na primeira fase, vencendo bem os seus três jogos. Van Gaal mostrou gostar de jogar com três zagueiros, mas se não contar com Bruno Martins Indi, que sofreu um leve trauma craniano, provavelmente jogue no 4-4-2. Sua forma de jogar não é segredo a ninguém, Sneijder lança as bolas para a velocidade de Robben, que vive grande momento. Pode ter dificuldades com a forte marcação mexicana, que mostrou não dar espaços à jogadas individuais. Sua defesa bateu cabeça nas duas primeiras partidas, porém contra o Chile foi impecável. É a grande favorita, apesar de enfrentar um México confiante.

México: Joga firme, sem dar espaços para os adversários "se criarem". Apesar de veterano, Rafa Marquez ainda é o craque do time, fazendo a função de líder, zagueiro e ainda a ligação da zaga até o ataque em algumas situações. Nem a bola aérea, que antigamente incomodava os mexicanos, é mais problema para a equipe. Talvez seu único defeito seja a dificuldade de criar tabelas e entrar na área adversária sem ligações diretas e bolas paradas.

Colômbia: Fez uma grande primeira fase, porém caiu em um grupo muito fraco. Grécia, Japão e Costa do marfim não exigiram muito de seu sistema defensivo. Seu grande trunfo são as boas jogadas criadas por James Rodríguez e Cuadrado. Apesar de perder Falcão, seus atacantes estão dando conta do recado. Precisará ter atenção redobrada com Edinson Cavani.

Uruguai: Na base da raça e da superação, a equipe passou por cima de Inglaterra e Itália, após a derrota para a Costa Rica na estréia. Se não tivesse o desfalque de Luisito Suárez, poderia até ser candidato ao título, porém sem o craque, que está fora da Copa devido a suspensão pela mordida em Chiellini, fica sem a referência no ataque. Cavani é um grande atacante, mas Suárez mostrou não render. A saída do capitão Lugano do time titular fez bem a defesa da Seleção Uruguaia, que com Godín e Caceres ficou mais veloz e entrosada. Vejo a Colômbia com leve favoritismo, porém a tradição e a garra uruguaia podem "falar mais alto".

França: Foi muito bem na primeira fase, superando a forte Suíça com goleada. O desfalque de Ribery pode até ter feito bem a equipe, que teve em Valbuena um maestro. Ainda há a dúvida entre Giroud ou Griezmann na cabeça de Deschamps, mas acredito que Giroud deverá ser o titular, fazendo com que Benzema auxilie Valbuena na criação pelos lados do campo. O sistema defensivo passa muita segurança, marcando bem e ainda mostrando técnica. Favoritíssima no confronto diante da Nigéria, deve passar sem sustos.

Nigéria: Mostrou bom futebol diante da Argentina, porém vale lembrar que foi duplamente beneficiada na partida contra a Bósnia e nem merecia a vaga. Outro detalhe é que não terá pela frente uma defesa tão ruim quanto a da Argentina. Musa, Odemwingie e Emenike formam um trio ofensivo muito veloz e perigoso, por isso devem ser bem marcados. 

Alemanha: É de encantar ver a Seleção Alemã jogar. De longe é a melhor equipe do torneio, com um grande goleiro, uma defesa segura, um meio de campo fantástico, bons atacantes e muitas peças de reposição à altura. Costuma ter dificuldades com seleções africanas, mas no caso da Argélia a única dificuldade que pode ter é de superar uma retranca. Por ser uma seleção que conta com jogadores muito "frios", não deve ter dificuldades em superar a Seleção Argelina.

Argélia: Surpreendeu ao passar de fase ao superar a Rússia, que mostrou um bom futebol nas eliminatórias. Tem uma defesa compacta e bons laterais, mas o contra-ataque é seu ponto forte, com a velocidade e armação de Feghouli e Brahimi. Provavelmente vai parar nas oitavas, mas por ser uma equipe com jogadores jovens e que vem evoluindo nos últimos anos, deve voltar forte para a Copa de 2018.

Costa Rica: Foi a grande surpresa da competição. Entrou no "grupo da morte" prometendo ser o "saco de pancadas" antes da Copa iniciar, contudo superou três campeões mundiais. Mostrou ser um time muito bem encaixado pelo treinador Jorge Luis Pinto, boa em todos os setores. Deve passar com tranquilidade pela fraquíssima Grécia, com mais um show de Ruíz e Campbell.

Grécia: Assim como seu adversário, era a seleção mais fraca do grupo. Conseguiu a vaga nos 47 minutos do segundo tempo, na base da famosa "sorte grega" de 2004. Com a lesão de Mitroglou, Samaras deve comandar o ataque grego, porém acredito numa vitória costarriquenha.

Argentina: Sofreu para vencer as três fracas seleções de seu grupo, contando com muita sorte nas duas primeiras partidas. Di María e Messi são os únicos jogadores que levaram perigo aos adversários até o momento, provando a má fase de Agüero, Higuaín e Lavezzi. Dentre as classificadas, mostrou ter o pior setor defensivo da Copa, principalmente contra times velozes. Ainda não foi devidamente testada na Copa, e agora terá uma seleção um pouco mais estruturada do que as que enfrentou no seu grupo. 

Suíça: Sua defesa não é muito confiável, mas tem potencial. Se conseguir para Messi e Di María, com certeza se sairá vitoriosa, pois marcará gols. Shaqiri será ainda mais perigoso do que o normal para a Argentina, que possui volantes, zagueiros e lateais lentos. Caso seus principais jogadores estejam em um grande dia, porerá surpreender.

Bélgica: Ainda espero ver aquela Bélgica que vi nas eliminatórias e nos amistosos, pois até agora venceu, mas não convenceu. Desta vez enfrentará um time melhor do que os que enfrentou em seu grupo, porém estará diante de uma equipe que também joga para ganhar e não para empatar, podendo ter espaços para aplicar seu estilo de jogo. Hazard e Lukaku ainda estão devendo uma grande apresentação na Copa. É favorita pelo nome de seus jogadores e pelo potencial que tem, mas pelo futebol jogado até o momento, os EUA levam vantagem.

EUA: Klinsmann mais uma vez mostra seu grande trabalho. Mesmo com poucos jogadores titulares "conhecidos", jogou de igual pra igual com Portugal e assustou a Alemanha. Beasley, que na Europa jogou como meia e ponta, me surpreendeu muito jogando como lateral, mostrando capacidade de marcação muito forte. Jones e Dempsey podem levar perigo a defesa belga, que apesar de ser forte, é lenta. Acredito que o confronto Bélgica x EUA será o mais equilibrado das oitavas de final.

Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: