Corte de cabelo pode tirar Jefferson da final contra o Vasco

Destaque na semifinal da Taça Guanabara contra o Flamengo, Jefferson também chamou atenção pelo novo corte de cabelo. Religioso, o goleiro fez uma homenagem com desenho de um peixe na cabeça raspada, símbolo que significa prosperidade e força para nadar contra a correnteza. Porém, o emblema desrespeita as regras da FIFA e o caso será analisado pelo TJD-RJ (Tribunal de Justiça Desportiva), podendo levar à punição do jogador alvinegro, que corre o risco de ficar fora da decisão contra o Vasco. Segundo as regras da Fifa e do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, é proibida a divulgação de qualquer mensagem religiosa dentro de campo pelos atletas e determina que o jogador que infringir tal regra será sancionado pelo órgão responsável pela realização do torneio. Podendo ser punido por conta do desenho na cabeça de Jefferson, o Botafogo confirmou a alusão religiosa do goleiro. O caso entrará na pauta do TJD-RJ, mas José Teixeira não acredita que, caso Jefferson seja denunciado, terá tempo suficiente para haver julgamento e definição do caso (com absolvição, multa, suspensão ou advertência) antes da final contra o Vasco, domingo. O prazo para resolver a questão seria de dez dias. O peixe é símbolo dos Atletas de Cristo e Jefferson acredita que a homenagem deu sorte para o Botafogo. O alvinegro pretende continuar com o desenho na final contra o Vasco: “Tem que nadar contra a correnteza desse mundo, contra as coisas tristes e erradas, por isso fiz essa homenagem. Para o Botafogo, as coisas se tornam mais difíceis. Vamos nadar contra a correnteza e conquistar o título”, afirmou. Não é a primeira vez que Jefferson inova na “cabeleira”. Costumeiramente, o camisa 1 faz desenhos que se destacam na cabeça raspada, como a declaração de amor para a esposa Michele, ou a estrela solitária, homenageando o Botafogo. Acho uma extrema "bobeira" punir um atleta por uma homenagem a uma crença. Não há porque ser penalizado por uma atitude que não faz mal a ninguém. Semana passada um zagueiro argentino do clube Arsenal de Sarandí deu uma entrada de sola com os dois pés, que podería facilmente quebrar a perna de Ronaldinho Gaúcho. O fato é que nem cartão amarelo o zagueiro tomou, e muito menos uma punição da FIFA ou da Conmebol. Seria injusto Jéfferson receber uma punição diante de atitudes grosseiras como essa que nem advertências sofrem.



fonte: yahoo.com.br

Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

Um comentário:

  1. Apesar de achar que as pessoas devem ter liberdade de expressão, acho justa a punição. Se não proibirem agora daqui a pouco todos vão resolver fazer algum tipo de propaganda. Imagina se o Kaká resolve ficar divulgando a igreja dele no meio do jogo pra ter mais fiéis? Cada um deve poder ter suas próprias crenças e não serem influenciados só por gostarem de um determinado atleta. O problema não está na punição daqueles que fazem coisas "leves" mas sim na não punição daqueles que realmente erraram, e, como no caso citado, poderiam ter machucado seriamente um atleta.

    ResponderExcluir