Top 10 Melhores Jogadores Sul Coreanos da História

10 - Choi Soon-Ho: Atacante, participava bastante do jogo e tinha uma velocidade fora do comum. Iniciou sua carreira no Pohang, onde tornou-se ídolo ao participar de três finais consecutivas da K League (Campeonato Coreano), conquistando apenas uma. Em seguida, transferiu-se para o FC Seoul, conquistando mais um título da K League (1990). Retornou ao Pohang para jogar mais uma temporada e logo depois foi jogar na França, encerrando seu ciclo futebolístico em 1993. Tornou-se técnico e ajudou a formar muitos garotos sul coreanos para o futebol. Por sua seleção nacional, Choi Soon-Ho teve notáveis atuações, marcando 30 gols em 97 partidas. Disputou as Copas do Mundo de 1986 e 1990, marcando um gol contra a Itália nesta primeira.


9 - Kim Joo-Sung: Formado pela Universidade Chosun, Kim tornou-se um meia de qualidade, driblador, com boa visão de jogo e velocidade. Foi eleito melhor atleta do continente asiático por três anos seguidos (1989, 1990 e 1991), jogando pelo Busan IPark. Após cinco anos de atuações, sendo idolatrado no time de Busan, transferiu-se para o Bochum da Alemanha, tendo boas atuações. Retornou ao IPark em 1994 e jogou por mais cinco anos no seu clube de coração, anunciando a aposentadoria em 1999. Pela seleção Sul Coreana, Kim Joo-Sung disputou três as Copas 1986, 1990 e 1994. Foi deslocado para a lateral esquerda em alguns momentos quando jogava pela seleção, completando ao todo 76 internacionalizações. 


8 - Seol Ki-Hyeon: Oriundo das categorias de base da universidade de Kwangwoon, foi contratado pelo Antwerp aos 21 anos. No clube belga, brilhou ao anotar doze gols em 25 jogos na temporada 2000/2001. Mostrando muita habilidade, força, boas finalizações e chutes precisos, chamou a atenção do Anderlecht, que contratou-o. Seol tem um estilo diferente dos convencionais atacantes coreanos, que geralmente são mais leves e jogam pelas pontas, sendo ele um centroavante mais finalizador e lento, até por ter uma estatura bem acima da média de sua população, 1,87 m. No clube da capital belga, o sul coreano foi um "reserva de luxo", sendo decisivo sempre que entrava em campo, e conquistou seu primeiro título na carreira, o Campeonato Belga 2003/2004. Em seguida, foi para a Inglaterra, onde teve duas razoáveis temporadas no Wolves, um grande ano no Reading e por fim uma frustrante passagem pelo Fulham, convivendo com lesões e pouca sequência de jogos. Ainda possuindo contrato com o Fulham, foi emprestado para o Al Hilal em 2009, realizando apenas sete partidas. Veterano, retornou ao seu país para jogar por Pohang, Ulsan e Incheon, aposentando-se em 2014. Com sua seleção nacional, teve um excelente desempenho na Copa de 2002, quando marcou o primeiro gol da vitória sobre a Itália nas oitavas de final da competição e ajudou seu país a conseguir o inédito quarto lugar na competição. Em 2006, novamente esteve no elenco sul coreano que disputou a Copa do Mundo. Ao todo, somou 82 partidas internacionalizações e dezenove gols anotados.


7 - Lee Dong-Gook: Assim como Seol Ki-Hyeon, é um atacante diferente dos tradicionais de seu país. Alto, que sabe usar bem o corpo e técnico, Lee costuma marcar gols em belas finalizações. Destacou-se primeiramente no Campeonato Asiático sub-19, na qual foi campeão e artilheiro. Ainda por sua Seleção, foi à Copa do Mundo de 1998, com apenas dezenove anos, e para o Mundial de 2010, perdendo as Copas de 2002 (preterido por Hiddink) e 2006 (grave lesão no joelho). Completou 103 jogos pela Coreia do Sul e marcou 33 gols. Lee Dong-Gook tinha muito potencial, e era tido como uma das maiores promessas do futebol mundial no início dos século, contudo, mesmo tornando-se um bom jogador, não soube administrar bem sua carreira como atleta, e se envolveu com bebidas e festas. Iniciou de maneira meteórica no Pohang, e após três anos de boas atuações foi emprestado ao Werder Bremem. Na Alemanha, conseguiu jogar apenas sete jogos, já que sofreu com lesões e problemas físicos. Aos 22 anos teve de retornar ao seu país e servir o serviço militar, jogando pelo Gwangju. Em seguida, transferiu-se para o Middlesbrough, tendo um desempenho abaixo do esperado pelos dirigentes do time inglês, que decidiram não renovar seu contrato ao fim dos dezoito meses acordados. No ano de 2009, acertou com o Jeonbuk Hyundai, onde joga até o momento. Pelo Jeonbuk, Lee tornou-se um "mito", sendo o maior artilheiro da história da K-League, do clube, além de Campeão Coreano nos anos de 2009, 2011, 2014 e 2015. Aos 37 anos de idade, o atacante continua atuando em alto nível por seu clube, tanto é que marcou nove gols na última K-League e ainda foi campeão.


6 - Hwang Sun-Hong: Segundo maior artilheiro da Seleção Sul Coreana (50 gols), disputou as Copas do Mundo de 1990 e 2002, ficando de fora da edição de 1998 devido a uma grave lesão sofrida no joelho. Brilhou na Copa das Confederações 2001, ao marcar dois gols, com destaque para a linda finalização diante da Austrália, na qual encobriu o goleiro adversário. Hwang tinha muita habilidade, velocidade e extrema facilidade em finalizar. Após ter um grande início de carreira na Universidade Konkuk, foi para a Alemanha, onde atuou primeiramente pelas categorias de base do Leverkusen e em seguida pelo Wuppertaler. Retornou à sua pátria em 1993, assinando contrato com o Pohang, clube pelo qual se tornaria uma lenda. O craque coreano bateu recordes, conquistou títulos importantes, como a Liga dos Campeões da Ásia, e tornou-se um dos maiores ídolos da história deste clube nos seis anos que atuou. Seu próximo time foi o Cerezo Osaka do Japão, e novamente o "matador" fez uma temporada incrível, sendo artilheiro da J-League com 24 gols em 25 partidas disputadas. O atleta ainda teve boas passagens por Suwon, Chunnam e Kashima Reysol, aposentando-se em 2002, logo após a Copa do Mundo. Em 2008, após muito estudo e preparação, tornou-se técnico, e atualmente comanda o FC Seoul.


5 - Lee Young-Pyo: Formado pelas categorias de base da Universidade de Konkuk, foi jogar no Anyang em 2000. Após ter boas exibições e ganhar a posição de titular na Seleção Sul Coreana, comandada por Guus Hiddink na Copa do Mundo de 2002, transferiu-se para o PSV, sendo levado para o clube holandês pelo mesmo técnico. Lee revelou-se um jogador polivalente, podendo fazer qualquer função defensiva, principalmente as laterais do campo. O atleta também destacava-se por ter ótimo cruzamento, boa marcação e exemplar obediência tática. Nas três temporadas que atuou pelo time de Eindhoven, Lee conquistou quatro títulos, sendo dois deles da Eredivisie. Em 2005, o coreano foi contratado pelo Tottenham, onde ficou por quatro temporadas e nunca foi um titular absoluto, mas sempre esteve na sombra dos laterais Ekotto e Stalteri. Em 2008, o coreano teve uma curta passagem pelo Borussia Dortmund, tendo poucas oportunidades. Já veterano, foi para o Al-Hilal da Arábia Saudita, sendo idolatrado ao conquistar duas vezes o campeonato nacional do país. Por fim, jogou seus últimos anos da carreira no Vancouver Whitecaps, conquistando grande carinho dos fãs canadenses. Além de ter disputado a Copa de 2002, Lee também esteve nas edições de 2006 e 2010 do maior torneio de futebol do mundo. Representou a seleção de seu país em 127 partidas, anotando cinco gols. 


4 - Ahn Jung-Hwan: Atacante de muita velocidade, mobilidade e de boa finalização, começou na Ajou University, em Swon. Em 1998, assinou contrato com o Busan e logo no ano seguinte foi eleito o melhor jogador do Campeonato Coreano. Ahn teve excelente desempenho no seu clube, chegando a seleção nacional e sendo pretendido por clubes europeus. No ano de 2000, transferiu-se para o Perugia, tendo boas participações em duas temporadas. Na Copa do Mundo de 2002, o atacante foi um dos principais jogadores da equipe sul coreana que conseguiu chegar às semi finais da competição. No confronto das oitavas, a Coreia do Sul enfrentou a Itália, país onde Ahn atuava, e ele foi o carrasco da esquadra Azzurra ao acertar uma bela cabeçada no final da prorrogação. Logo após viver a alegria por ter ajudado a classificar sua pátria para uma inédita quartas de final, o atleta soube publicamente, pelo próprio presidente do Perugia, que estava sendo dispensado do clube por fazer um gol contra Itália. Cabisbaixo com o acontecido, resolveu atuar no continente asiático, acertando então com o S-Pulse e Yokohama Marinos, tendo uma fase artilheira nas duas equipes japonesas. Hwan ainda rodou por alguns times do mundo, como Metz, Duisburg Swon, Busan e Dalian, aposentando-se em 2011. Ahn completou 71 internacionalizações com a Seleção Sul Coreana, e além da Copa de 2002, também disputou as edições de 2006 e 2010. O jogador foi como comentarista de uma televisão sul coreana na Copa do Mundo de 2014 e também faz alguns trabalhos como modelo e ator.


3 - Hong Myung-Bo: Zagueiro técnico, de bom posicionamento, liderança e que também era um grande cobrador de faltas, é o jogador sul coreano que possui a maior quantidade de atuações por sua seleção, sendo 136 ao todo, com dez gols marcados. Disputou quatro Copas do Mundo, destacando-se principalmente em 2002, quando recebeu o prêmio de terceiro melhor jogador do Mundial. Nascido em Seoul, estudou na principal universidade do país, a Korea University. Ao se mostrar um grande jogador, acertou um contrato com o Pohang, onde foi ídolo, jogou por cinco anos e sagrou-se campeão da K League 1992. Com o futebol japonês em alta, transferiu-se para o país vizinho, atuando por Bellmare e Kashima Reysol, vencendo a Copa do Japão 1999 com este último. Retornou ao Pohang em 2002, ano da Copa do Mundo em seu país natal, e no ano seguinte disputou suas duas últimas temporadas da carreira pelo L.A. Galaxy da MLS. Hong tornou-se treinador das equipes de base da Seleção Sul Coreana em 2009, e teve muito sucesso ao conquistar a medalha de bronze das olimpíadas de 2012. No ano seguinte, foi promovido a técnico da seleção principal e comandou a equipe na Copa do Mundo de 2014. Ao não obter a classificação almejada para a segunda fase do torneio, foi despedido e hoje treina o Hangzhou da China. 


2 - Park Ji-Sung: Atraindo olhares de grandes clubes do mundo desde seus nove anos de idade, Park já mostrava um tremendo repertório de dribles, jogadas individuais, velocidade e criatividade com a bola nos pés. Após sair da Myongji University, assinou contrato com o Kyoto Sanga do Japão, e com incríveis atuações em dois anos no país nipônico, Park foi convocado para a Copa do Mundo de 2002. Tendo uma participação digna de uma das revelações da competição, na qual contribuiu muito para o ótimo desempenho de sua equipe, ele foi levado ao PSV pelo técnico Guus Hiddink ao término do Mundial. O sul coreano demorou para conseguir se adaptar ao estilo de jogo holandês, sofrendo com lesões e dificuldade de entrosamento. Na sua terceira temporada no clube de Eindhoven, recuperado das lesões e mais forte fisicamente, Park teve a dura missão de substituir Robben, que fora para o Chelsea, e não decepcionou, sendo o principal destaque do PSV na conquista da Eredivisie 2004/2005. Por quatro milhões de euros, transferiu-se para o Manchester United, a pedido de Alex Ferguson. Muito se achava que esta era uma ação de marketing do clube inglês, já que costuma investir forte sua marca no continente asiático, mas dentro de campo Park provou sua importância e tornou-se um dos jogadores mais importantes dos Red Devils nos anos em que defendeu a equipe. Park Ji-Sung é o primeiro coreano a conquistar uma Liga dos Campeões (2007/2008) e a Premier League, competição na qual sagrou-se vitorioso quatro vezes. Em sete anos pelo United, o atleta entrou em campo mais de 200 vezes e marcou 27 gols. Dando mostras de que estava em decadência devido a sua idade, foi emprestado para o QPR, onde foi rebaixado para a segunda divisão inglesa, e em seguida retornou para o PSV, jogando poucas partidas. Anunciou que estava "pendurando as chuteiras" em meados de 2015. Com a Seleção Coreana, Park tornou-se um grande ídolo nacional, e além de disputar a Copa de 2002, também esteve nas edições de 2006 e 2010, sendo capitão nestas duas. Marcou gols nas três Copas que disputou, juntando-se a Pelé, Klose e Ronaldo, outros detentores deste privilégio. Entrou em campo pela Seleção Sul Coreana 100 vezes, anotando treze gols. 


1 - Cha Bum-Kun: Maior artilheiro da história da Seleção Sul Coreana, com 55 gols marcados, além de segundo atleta com maior número de presenças pela mesma (121 jogos), foi um atacante completo, eleito o melhor jogador asiático do século XX. Conhecido por "Tcha Bum", fazia gols de todas as maneiras: chutando com as duas pernas, de faltas e de cabeça, além de ser dotado de uma incrível velocidade. Também podia exercer várias funções no setor ofensivo, como meia, ponta, segundo atacante e centroavante. Foi o grande nome dos Jogos Asiáticos de 1978, conquistado pela Coreia do Sul, assim como o "carregador de piano" do país nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1986, a única que disputou e sua carreira. Em clubes, Cha teve uma brilhante carreira na Alemanha, acertando primeiramente com o Darmstadt após jogar pela Korea University e pelo time militar de seu país. Chegou ao Eintracht Frankfurt em 1979, e logo na sua primeira temporada escreveu seu nome na história do clube, quando foi considerado o "Man of the match" da final da Copa da UEFA, sendo esse o maior título da história do time. Após ser ídolo em Frankfurt, o atacante trocou o clube pelo Leverkusen, tornando-se uma lenda. Conquistou mais uma vez a Copa da UEFA, bateu muitos recordes, como o de estrangeiro com maior número de gols marcados na história da Bundesliga, e deixou um legado, inspirando inúmeros atletas que eram seus fãs quando criança, dentre eles Ballack, Kahn, Owen, Klinsmann e até Luís Figo. Cha aposentou-se em 1989 e foi técnico de muitos clubes, como Hyundai Horangi, Shenzhen, Swon e a Seleção Sul Coreana. Seu filho, Cha Du-Ri, também foi um grande jogador.


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: