Seleção da Quinta Rodada do Brasileirão 2016

1 - Vanderlei (Santos): Apesar da derrota, trabalhou bastante e fez defesas seguras, evitando um maior saldo do rival na partida. Nota: 7,5

2 - Edílson (Grêmio): Único que se salvou na má atuação diante do Palmeiras. Em duas jogadas individuais, deu uma assistência e marcou um gol. Nota: 8.

3 - Vitor Hugo (Palmeiras): Não teve culpa direta nos gols gremistas. Foi decisivo ao fazer mais um gol para o Verdão, revelando-se cada vez mais ser um zagueiro-artilheiro. Nota: 7,5.

4 - Bruno Alves (Figueirense): Eficiente, não cometeu falhas e fechou bem os espaços. Também fez cortes importantes, dando "chutão" sempre que necessário. Nota: 7,5.

5 - Douglas (Fluminense): O volante mostrou qualidade nas duas atuações que teve. Contra o Galo, marcou muito bem e deu boa saída de bola ao meio de campo. Nota: 7,5.

6 - Dener Assunção (Chapecoense): No seu setor, não teve problemas na marcação, e ainda contribuiu na criação de jogadas e com boas investidas. Nota: 7,5.

7 - Vitinho (Internacional): Principal jogador do time, era ele quem criava as chances de gol da equipe, com boas arrancadas, chutes de fora da área, cruzamentos e passes. Levou sorte e marcou o gol da boa vitória Colorada. Nota: 8.

8 - Diego Souza (Sport): Maestro, comandou as ações ofensivas do Leão, carregando a bola e distribuindo o jogo. Foi dele o passe para Edmílson marcar o gol que deu a vitória ao Sport. Nota: 8.

9 - Bruno Rangel (Chapecoense): Não apareceu muito para o jogo, mas o que se espera de atacantes são gols não é? Pois então, Rangel marcou três vezes. Nota: 8,5.

10 - Robinho (Cruzeiro): Nome do jogo, controlou a bola no meio de campo e organizou a equipe. Deu ótimos passes, com um número bom de acertos, e deu o lançamento para Élber marcar o gol da vitória. Nota: 8.

11 - Felipe Azevedo (Ponte Preta): Jogou apenas o primeiro tempo, pois sentiu uma lesão na coxa. Foi o suficiente pra decidir o jogo com um belo gol e uma assistência perfeita. Nota: 8,5.

TÉCNICO: Guto Ferreira (Chapecoense): Soube jogar fora de casa, mantendo a bola no meio de campo e fazendo a ligação rápida com os atacantes. Conseguiu aproveitar a fragilidade dos volantes e laterais do adversário com jogadas de contra-ataque pelos cantos, um exemplo disso foi o gol de Lucas Gomes. Nota: 8.


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: