Análise da Champions 2015/2016


Com o empate por 1x1 no tempo normal e a vitória nos pênaltis, o Real Madrid abriu ainda mais sua vantagem de títulos na Liga dos Campeões, conquistando sua décima primeira taça. Mais uma vez, o Atlético sofre uma derrota na final para o seu maior rival, amargando seu terceiro vice-campeonato (os outros dois foram: temporada 1973/1974 Bayern 5x1 Atlético e temporada 2013/2014 Real Madrid 4x1 Atlético). Por conta de ter feito a melhor campanha na fase de grupos, o Real decidiu suas partidas em casa e pegou adversários inferiores aos enfrentados pelo Atlético. Nas oitavas os Merengues superaram a Roma, já os Colchoneros sofreram para vencer o PSV nos pênaltis. Nas quartas de final, o Real encarou o Wolfsburg, tendo imensa dificuldade ao perder a primeira partida por 2x0 na Alemanha, contudo com um show de Cristiano Ronaldo no Bernabeu, chegou às semi. Já o Atlético tinha nada menos que o atual campeão, o Barcelona pela frente, e na base da superação anulou Messi e cia. Por fim, nas semi-finais, os Merengues não tiveram vida fácil contra o Manchester City, vencendo por 1x0. Para chegar à final, o time de Simeone teve de "matar outro leão", o Bayern de Munique. Como "clássico é clássico e final é final e vice e versa", a decisão era uma incógnita. Com muita superioridade técnica, o Real Madrid mandou no primeiro tempo, podendo até ter aberto dois ou três gols de vantagem. Mostrando desgaste físico, principalmente CR7, que teve problemas musculares algumas semanas antes, Kroos, Carvajal e Bale, os Merengues foram "atropelados" na segunda etapa, e por pouco não levaram uma virada, já que o Atlético empatou o jogo e até desperdiçou uma penalidade. Na prorrogação, os 22 jogadores mostraram muita superação em campo, tendo em vista que estavam visivelmente exaustos. Cristiano Ronaldo sentia muitas dores para caminhar, e mesmo assim auxiliou até na marcação. Chegando aos pênaltis, Oblak decepcionou a torcida, já que havia salvado o time em inúmeras oportunidades na competição, e não mostrou a mínima habilidade para defender cobranças de pênalti. Juanfran desperdiçou a penúltima cobrança dos Colchoneros e Ronaldo teve a oportunidade de converter a cobrança final e definir o Real como campeão novamente. Como a estrela do atacante português não costuma falhar nestes momentos decisivos, ele bateu com força, tirando as chances de defesa do Oblak e saiu correndo para comemorar com companheiros e com a torcida. 


Inegavelmente, Cristiano Ronaldo foi o craque da competição. O português não só foi o artilheiro, com dezesseis gols, mas também foi o atleta mais decisivo. O Atlético de Madrid tem um coletivo mais forte que o individual, mas se há algum destaque principal foi Griezmann, que foi o autor dos gols nos momentos mais importantes, como diante do Barcelona e do Bayern. Simeone novamente superou barreiras ao conduzir sua equipe para uma final de Liga dos Campeões em meio a tantos times com maior estrutura e recursos financeiros, porém, em minha opinião, Zidane deve ser considerado o grande técnico da competição, já que quando assumiu o Real Madrid o time estava abalado, abatido e desmotivado com derrotas e a forma de Benítez comandar. Em cinco meses no cargo, o francês mostrou que não só sabia jogar futebol, mas também sabe "ensinar" futebol. 

Seleção da Champions:


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: