Dia triste na Holanda, morre Johann Cruyff

Após muito lutar contra um câncer no pulmão, faleceu ex-atleta e treinador holandês, Cruyff, aos 68 anos. Foi um dos indivíduos mais revolucionários do futebol, tanto como jogador como treinador/dirigente. Em campo, mostrava-se um jogador muito acima da média em sua época, inovando dribles, passes e no posicionamento em campo. Fora dos campos, criou táticas e esquemas de jogo diferenciados, como o jeito de jogar do Barcelona, onde desde as categorias infantis até o profissional é jogado da mesma forma, fazendo com que os garotos revelados pela base cheguem já adaptados ao esquema do elenco principal. Jogava como meia ou atacante, destacando-se pelos dribles curtos, os chutes certeiros, passes perfeitos e o cabeceio. Jogou por nove anos no Ajax, onde iniciou a carreira e teve a incrível marca de 190 gols em 229 jogos, na sua primeira passagem, além de ter conquistado por oito vezes a Eredivisie e em três oportunidades a Liga dos Campeões. Em 1973, mudou-se para Barcelona, jogando por cinco anos no clube. Virou um dos grandes ídolos da história do clube, assim como no Ajax, porém a equipe catalã não teve grandes conquistas na década de 70. Decidiu sair da Espanha no ano de 1978, tendo uma perna quebrada e alegando não aguentar mais a violência do Campeonato Espanhol. Em seguida, jogou por três temporadas no Campeonato Norte Americano de Futebol, dez partidas pelo Levante (Espanha), dois anos no Ajax e um no Feyenoord, despedindo-se dos gramados em 1984. Pela Seleção Holandesa, Cruijff foi o maestro do "Carrossel Holandês", que chegou às finais das Copas de 74 e 78, mas que infelizmente fora derrotada por Alemanha e Argentina respectivamente. Como técnico, Cruijff comandou o Ajax, o Barcelona e a Seleção da Catalunha. Apesar de ficar por oito anos na liderança da comissão técnica do Barça, não desejava sair do clube. Com seu temperamento forte, sua saída do cargo foi turbulenta: quando soube que seria substituído por outro técnico, jogou uma cadeira na porta do escritório da cúpula barcelonista, além de insultar o presidente do clube. Cruijff também já foi jogador de golf, gravou uma música de sucesso na Holanda e teve um filho jogador de futebol, Jordi Cruijff, que atuou no Barcelona, mas sem muito sucesso. Como um dos homens que mais contribuíram para a história e a evolução do futebol, creio que todos que amam este esporte lamentam profundamente sua morte.



Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: