Análise FIFA 15


Adquiri meu FIFA 15 há poucas semanas e resolvi fazer uma análise deste jogo, que tanto foi esperado antes de seu lançamento oficial. Muitas mudanças aconteceram em comparação com a edição anterior do game, porém nem todas foram para melhor. 

Gráficos: Sem dúvidas os gráficos melhoraram muito. Tudo está mais bem detalhado, o gramado, a iluminação do estádio, os jogadores estão fisicamente mais parecidos e com movimentos (dribles, jeito de correr) mais realistas, a chuva e as manchas de barro na roupa, as vibrações dos torcedores, além do mais surpreendente, os estádios da Inglaterra. "A casa" dos vinte clubes da Premier League foram representadas perfeitamente no game, tanto na parte de dentro, como na parte de fora do estádio. Este acordo entre a EA e a Premier League também recriou as faces de mais de 200 jogadores da liga, usando uma tecnologia scan 3D. Confira no vídeo abaixo:


Sons: As narrações clássicas de Martin Tyler e Alan Smith, em inglês, e a irreverência de Tiago Leifert e Caio Ribeiro, em português, continuam e ainda contam com mais de 100 novas frases e animações. As trilhas sonoras do FIFA 15 também mantém a tradição de agradar o público com músicas de muitas nações e ritmos variados. Como bandas/artistas mais conhecidos temos Avicii, Dirty South, Emicida, Foster the People e Madeon. Quanto aos canticos dos torcedores, os principais clubes do mundo têm reações diferenciadas para cada uma de suas torcidas. No vídeo abaixo, podemos conferir o estádio inteiro do Liverpool cantando You'll Never Walk Alone.


Jogabilidade: Notei muitas mudanças na jogabilidade, algumas para melhor e outras para pior. Os goleiros estão mais "inteligentes", fazendo defesas incríveis e tendo reflexos inesperados, mas mesmo assim estão suscetíveis a erros e falhas. O computador comete mais faltas e dá mais carrinhos, o que particularmente achei bom, já que o anti-jogo faz parte do futebol como um todo. Ficou ainda mais difícil desarmar jogadores que possuem bom controle de bola, como é o caso de Cristiano Ronaldo, Messi e Ribery, onde muitas vezes nem com carrinhos consegue-se parar os craques. Os lançamentos por cima da defesa adversária, que antes eram muito simples de acertar e que facilmente deixavam os jogadores em boas condições de finalizar, agora não têm tanta eficiência, o que é um avanço para se aproximar da realidade. Minhas reclamações quanto à jogabilidade, são em relação ao cansaço cada vez mais rápido dos jogadores, ao aumento das lesões nas partidas e aos seis segundos que o goleiro possui para repor a bola em jogo, fazendo com que muitos aproveitadores utilizem dessa "malandragem" para fazer o tempo passar  nos jogos online. A EA deveria solucionar isto marcando o tiro livre indireto, o que de fato acontece no futebol real.


Torneios e Ligas: A grande decepção das ligas, fica por conta do Campeonato Brasileiro, que ficou de fora pela falta de um sindicato que representasse os atletas. Evitando futuros processos, a EA Sports não quis correr o risco de usar os direitos de imagem dos jogadores brasileiros. Ainda existe uma chance de a EA se acertar com os clubes e disponibilizá-los em atualizções ou vender o patch, mas não aconselho esperar por isso. A ausência dos times brasileiros não me afeta muito, pois não costumava jogar com eles, tendo em vista que o jogo era lento e os atacantes erravam muitos gols. Contudo, seria bom ter jogadores como Kaká, Fred, D'Alessandro e Dedé disponíveis no mercado. A nova liga do jogo é a Turca, que até integrou outras edições, porém no FIFA 14 contava apenas com Galatasaray no Resto do Mundo. Os torneios e copas continuam os mesmos, sendo os mais interessantes o Modo Carreira, as Temporadas CO-OP e o Ultimate Team.


Ultimate Team: Não notei diferenças significativas, mas esperava por algumas que infelizmente não ocorreram. Eu gostaria que as premiações fossem melhoradas, de maneira que ao ser campeão ou conseguir acesso em uma temporada, proporcionasse um bom valor aos cofres do time. Com o baixo valor pago, a EA força seus clientes a fazerem trades ou então comprarem FIFA points na PlayStation®Store, que também falha ao não aceitar quase nenhum cartão de crédito de bancos brasileros. A grande novidade é que além de contratar jogadores em definitivo, renovando o contrato com o passar do tempo, podemos também contratar através de empréstimos. No começo, quase dá vontade de desistir, pois além de receber jogadores muito ruins, a melhor maneira de você conseguir fazer seu time crescer é comprando pacotes, onde se recebe contratos, atletas, itens ou técnicos. O problema é que mesmo comprando pacotes de ouro, quase todos os jogadores que vêm nele são de baixíssima qualidade. Só consegui ter bons jogadores em meu elenco após muitos trades, utilizando jogadores como Iturbe e Mcgeady, que me davam no máximo 200 coins de lucro. Mesmo com todas essas dificuldades, agora já tenho um elenco razoável, fazendo valer a pena insistir no Ultimate Team. Vale também resaltar, que uma novidade promivida pela EA, é o FIFA 15 Companion, que é um aplicativo para celulares, onde você pode supervisionar seu time, fazendo alterações, comprando packs e interagindo com o mercado de transferências.

Foto de meu elenco atual, utilizando o aplicativo FIFA 15 Companion em meu celular.

Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: