Top 10 Melhores Jogadores Gregos da História

10 - Giorgos Karagounis: Atleta que mais vezes vestiu a camisa da Seleção Grega. Foram 139 jogos, incluindo duas Copas do Mundo (2010 e 2014) e três Eurocopas (2004, 2008 e 2012), sendo campeão da competição continental em 2004. Karagounis podia jogar como meia e volante, tendo como principais características o bom chute, passes precisos e muita raça. Surgiu como uma grande promessa em 1996 na base do Panatinaikos, e após um curto empréstimo para o Apollon, conseguiu a titularidade do time da capital grega. No ano de 2003, transferiu-se para a Inter de Milão, sendo pouco aproveitado nas duas temporadas em que esteve no clube italiano. Mesmo assim, teve importante contribuição no título da Copa da Itália 2004/2005. De 2005 a 2007, Giorgos teve uma boa passagem pelo Benfica, e logo em seguida retornou para seu time de coração, o Panatinaikos, onde desta vez conquistou títulos, como a Liga Grega 2009/2010 e a Copa da Grécia da mesma temporada. Por fim, jogou duas temporadas no Fulham da Inglaterra, aposentando-se após o término da Copa do Mundo de 2014. 


9 - Antonios Nikopolidis: Oito vezes eleito melhor goleiro da Liga Grega, é um ídolo nacional. Nikopolidis era um goleiro de boa impulsão e liderança, mas tinha como principal característica um excelente posicionamento, tanto em defesas, quanto em saídas. Completou 90 internacionalizações com a Seleção Grega, mas foram as seis partidas da Eurocopa de 2004, que mais marcaram sua carreira. Foi eleito o melhor goleiro da competição, sofreu apenas quatro gols e fez grandes "milagres" debaixo das traves, contribuindo imensamente para a maior conquista do futebol grego. Em clubes, foi ídolo dos dois maiores da Grécia: primeiramente o Panatinaikos, na qual conquistou uma vez a Liga Grega, e depois o Olympiacos, sagrando-se campeão da maior competição de clubes da Grécia em três oportunidades. Aposentou-se em 2011, mas continuou trabalhando no Olympiacos como assistente técnico e treinador de goleiros. Devido ao bom trabalho fora dos gramados, foi promovido a técnico da equipe sub-20 da Seleção Grega em 2015.


8 - Giorgos Sideris: Conhecido como "escavadeira", pois fazia um buraco nas defesas adversárias, era um atacante e ponta direita muito veloz e oportunista. Começou sua carreira no pequeno Atromitos, e após uma temporada de 28 gols em 30 jogos, trocou de clube, indo para o Olympiacos. Em onze anos no time de Piraeus, Sideris tornou-se um dos grandes ídolos da história do clube, venceu duas vezes a Liga Grega e foi artilheiro da mesma em três oportunidades. Aos 32 anos de idade, jogou uma temporada pelo Royal Antwerp da Bélgica, e no ano seguinte retornou ao Olympiacos para disputar seu último ano no futebol. Com a Seleção Grega, Giorgos possui uma alta média de gols, sendo catorze em 28 internacionalizações.


7 - Stelios Manolas: Um dos maiores ídolos da história do AEK, sendo exemplo de dedicação e amor por um clube. Manolas jogou toda sua carreira pelo time de Atenas, completando mais de 400 atuações e 34 gols marcados. Conquistou a Liga Grega em quatro oportunidades e a Copa da Grécia três vezes. Stelios foi um zagueiro de muita força física, que tinha um excelente aproveitamento nos cabeceios e ainda era um marcador implacável. Disputou a Copa do Mundo de 1994 pela Seleção Grega e esteve em campo 71 vezes representando sua pátria. Tornou-se técnico de futebol em 2004, quatro anos após sua aposentadoria, e destacou-se justamente por seu time do coração, vencendo uma Copa da Grécia pelo AEK. 


6 - Nikos Anastopoulos: Maior artilheiro da história da Seleção Grega, somando 29 gols em 75 partidas jogadas. Disputou a Eurocopa de 1980, marcando o único gol grego na fraca campanha que terminou na fase de grupos. Começou sua jornada no Panionios em 1977, destacando-se por três anos como um atacante centralizado. Por ser alto e um ótimo cabeceador, diferenciava-se dos leves atacantes gregos da época, e não demorou para chamar a atenção dos grandes clubes. Assinou contrato com o Olympiacos em 1980, e tornou-se uma "lenda" para os torcedores. Sagrou-se campeão quatro vezes da Liga Grega (1980/1981/1984/1987) e duas vezes da Copa da Grécia. Além dos títulos, ganhou muitos prêmios individuais e ainda foi artilheiro da Liga Grega em quatro temporadas. Em seguida, transferiu-se para o Avelino da Itália, mas suas atuações pelo clube foram desastrosas e Nikos acabou sendo dispensado ao fim da temporada. Retornou à Grécia e jogou por Panionios e Olympiacos novamente, assim como o Ionikos, "pendurando as chuteiras" em 1994. Tornou-se treinador de futebol em 1995, e já comandou inúmeros times gregos, ganhando títulos da segunda e terceira divisão. 


5 - Angelos Charisteas: O grande herói do maior título grego da história, a Eurocopa 2004. Grandalhão, mas com boa técnica, Charisteas tinha um excelente aproveitamento nas bolas aéreas, e foi dessa forma que o atacante marcou o gol que levou os gregos a loucura no dia quatro de julho de 2004. Além deste gol, Angelos marcou mais 24 vezes em 88 atuações pela Seleção Grega. Após ser revelado pelas categorias de base do Aris, era tido como uma das grandes promessas do início do século, e aos 22 anos de idade chegou ao Werder Bremen. Em sua primeira temporada, teve um bom desempenho, jogando quase todas as partidas da Bundesliga e marcando nove gols. Com a chegada de alguns reforços para a temporada seguinte, passou a ser a quarta opção do ataque do time alemão, que contava com Aílton, Klasnic e Valdez. Mesmo assim, marcou gols em momentos importantes e ajudou seu time a ser campeão da Bundesliga 2003/2004. Após atingir o auge de sua carreira e vencer a Bundesliga e a Eurocopa, transferiu-se para o Ajax por cerca de cinco milhões de euros. A intenção do time holandês era de que o grego fosse o substituto de Ibrahimovic, que havia ido para a Juventus. Apesar das características físicas semelhantes as do sueco, Charisteas não poderia ter ser comparado a Ibra de forma alguma, e logo isso foi percebido pelos holandeses, que nem puderam reclamar do grego, já que conseguiu marcar alguns gols e fazer o que era possível. A partir de 2006, Angelos começou a rodar por clubes da Europa sem conseguir se firmar. Aventurou-se por Feyenoord, Nurnberg, Leverkusen, Schalke 04, Arles, Panetolikos e por fim jogou no Al-Nasr em 2013.


4 - Mimis Domazos: Conhecido como "General", pois comandava o meio de campo das equipes pela qual atuou, é considerado o maior ídolo da história do Panatinaikos. Domazos era pequeno, 1,68 de altura, e como quase todo "baixinho" ele era veloz, habilidoso e incansável. Jogava em qualquer posição no meio de campo, sendo genial na criatividade, nos passes, nos poderosos chutes e também na marcação. Foram 504 partidas pelo Panatinaikos (detém o recorde de jogador que mais entrou em campo pela equipe), atuando na conhecida "época de ouro" do time de Atenas, tendo como proezas as conquistas de três Copas da Grécia e nove vezes a Liga Grega, além da incrível campanha do clube na Liga dos Campeões da UEFA da temporada 1970/1971, na qual chegou à final da competição após eliminar Everton e Estrela Vermelha, e perdeu por 2x0 para o grande time do Ajax, que contava com Cruyff e Neeskens. Mimis ainda jogou por uma temporada no AEK de Atenas, mas logo em seguida retornou ao Panatinaikos para se aposentar em 1980. Pela Seleção Grega, Domazos teve 50 internacionalizações, com quatro gols marcados e a tarja de capitão no braço por dez anos.  


3 - Thomas Mavros: Centroavante, era um "matador" nato. Veloz e oportunista, marcava gols de todas as formas e infernizava as defesas adversárias. É detentor de muitos recordes na Grécia, como o de jogador mais novo a marcar um gol na Liga Grega (dezesseis anos de idade), maior artilheiro da história da Liga Grega (260 gols anotados) e o único jogador que marcou cinco gols em uma partida válida pela Liga Grega. Foi artilheiro da maior competição de clubes da Grécia em quatro oportunidades (1978/1979/1985/1990). Iniciou sua carreira no Panionios, seu clube de coração, mas marcou época nos onze anos em que vestiu a camisa do AEK Atenas, clube pelo qual tornou-se um dos maiores ídolos da história e conquistou duas Copas da Grécia, assim como a Liga Grega em duas oportunidades. Nos seus últimos quatro anos como profissional, retornou ao Panionios para finalizar sua carreira. Pela Seleção Grega, esteve no grupo que disputou a Eurocopa de 1980, e ao todo marcou onze gols em 36 internacionalizações. 


2 - Vasilis Chatzipanagis: Nascido no Uzbequistão, mas filho de gregos, começou no maior clube do país soviético, o Pakhtakor Tashkent. Contudo, em meio ao regime comunista, Vasilis precisava ser cidadão uzbeque para poder jogar na liga soviética, e teve dificuldades em conseguir a cidadania uzbeque, que após muita insistência do clube e pressão da torcida foi obtida. Canhoto, era genial com a bola nos pés, mostrando muita habilidade, visão de jogo, dribles fantásticos e chutes poderosos. Jogava como meia-atacante e seu estilo de jogo era muito parecido com o de Maradona. Logo aos vinte anos de idade, Chatzipanagis foi convocado pela Seleção Olímpica da União Soviética e disputou os Jogos Olímpicos de 1976, conquistando a medalha de bronze. Em seguida, retornou às suas origens e acertou transferência para o Iraklis da Grécia. Com seus lances magníficos, de puro talento, encantou os gregos jogando por quinze anos no mesmo time. Tornou-se o maior ídolo do clube e um dos jogadores mais queridos do país, disputando quase 300 partidas na Liga Grega. Teve propostas de grandes clubes da Europa, como do Arsenal, da Lazio e do Porto, contudo preferiu ficar na Grécia. Como as regras adotadas pela FIFA eram diferentes, e jogadores que já haviam atuado por seleções de base de um país só podiam jogar por aquela mesma seleção, Chatzipanagis só pode jogar dois amistosos pela Seleção Grega, fato lamentado pelo craque em toda sua carreira. Aposentou-se em 1990.


1 - Theodoros Zagorakis: Melhor jogador da única e grande conquista da Seleção Grega, a Eurocopa 2004. "Theo" foi um volante moderno, que ao mesmo tempo em que desarmava e marcava bem, também sabia fazer a ligação entre o meio campo e o ataque, chegava como elemento surpresa nas finalizações, e ainda era um bom cobrador de faltas e escanteios. Além disso, Zagorakis foi um grande líder em campo, e não é a toa que foi capitão por onde passou. Pela Seleção Grega, além de levantar a taça de campeão da Eurocopa, atuou em 120 partidas, marcou três gols e infelizmente não teve a oportunidade de disputar uma Copa do Mundo, já que estreou por seu país em 1994, logo após o Mundial dos EUA, e aposentou-se em 2007. Nascido em Kavala, cidade turística grega, começou a jogar futebol no clube local, e após cinco anos de grande destaque, transferiu-se para o PAOK, onde tornou-se um ídolo em seis temporadas, disputando jogos de competições continentais e brigando por títulos na Grécia. Em 1997, recebeu uma ótima proposta do Leicester, que na época era um clube médio na Inglaterra. Surpreendendo a todos, como foi recentemente na conquista da Premier League, o Leicester foi campeão da Copa da Inglaterra 1999/2000, vencendo o Tottenham na final em Wembley. Este foi o primeiro título na carreira de Theo. Retornou para seu país natal em 2000, jogando pelo AEK, clube da capital grega. Sagrou-se campeão da Copa da Grécia 2001/2002 e obteve mais de 100 atuações pelo clube de Atenas. Após as incríveis atuações na Eurocopa de 2004, transferiu-se para o Bologna, contudo, contrariando às expectativas do clube italiano ao ter fraco desempenho, foi dispensado do time logo ao final da temporada. Zagorakis foi anunciado como novo reforço do PAOK em 2005, e ao chegar no aeroporto de Salônica, deparou-se com uma calorosa recepção de cerca de 7000 torcedores. Após duas temporadas, decidiu que era hora de parar, e no mesmo ano já tornou-se o presidente da equipe. Atualmente, Theo vem investindo em uma carreira política na Grécia.


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: