Top 10 Melhores Jogadores da História da Bélgica

10 - Eric Gerets: Um dos laterais direitos europeus mais completos da história. Tinha um poder de marcação incrível, mantendo uma regularidade assustadora. Ainda sabia apoiar muito bem, marcando gols e dando assistências. Seu primeiro clube profissional foi o Standard Liège e sua estreia em 1971. Tornou-se titular da equipe no ano de 1973, agradando a torcida e o técnico com uma ótima primeira temporada. Com seu fôlego interminável, dominou a lateral do Standard por doze anos, conquistando duas vezes o Campeonato Belga e uma Copa da Bélgica. Foram ao todo 318 partidas pelo time. Na sequência, teve curtas passagens por Milan e MVV, onde lesões e dificuldades de adaptação atrapalharam o belga. Em 1985, Eric acertou com o PSV, então comandado por Guus Hiddink. Atuando com muita dedicação e eficiência, participou do período de maiores glórias da história do time de Eindhoven, que venceu seis vezes a Eredivisie de maneira consecutiva, três Copas da Holanda e a Champions League da temporada 1987/1988. Foi o capitão do time em todas estas conquistas, aposentando-se em 1992, ao conquistar o sexto Campeonato Holandês, aos 38 anos de idade. Pela Seleção Belga, jogou 86 partidas, participando da grande campanha na Copa de 1986, quando o país ficou em quarto lugar. Também foi vice-campeão da Eurocopa de 1980. Desde que se aposentou, é técnico de futebol, e comandou equipes como o Standard Liège, Brugge, PSV, Galatasaray, Marseille, e a Seleção Marroquina. 


9 - Vincent Kompany: Um zagueiro técnico, muito forte fisicamente, com bom aproveitamento ofensivo e de excelente tempo de bola nas antecipações e cabeceios. Começou sua carreira no Anderlecht, onde aos dezessete anos já jogava no time principal. Conquistou por duas vezes a Liga Belga, ganhando também muitos prêmios, como de revelação, melhor zagueiro e melhor jogador da competição. Em 2006, foi contratado pelo Hamburgo, tendo problemas de adaptação e uma séria lesão no tendão de Aquiles, que comprometeu sua primeira temporada e parte da segunda. Conseguiu ter uma sequência boa de jogos em 2008, tempo suficiente para chamar a atenção do Manchester City. O clube inglês trouxe o belga para ser um bom reserva e no futuro tornar-se um grande zagueiro, porém Kompany surpreendeu com muitos gols e partidas sensacionais. Rapidamente tornou-se ídolo e capitão da equipe, pela qual sagrou-se campeão da Premier League 2011/2012 e 2013/2014. Foi eleito o melhor jogador do Campeonato Inglês na temporada 2011/2012, sendo o segundo defensor a ter este mérito (Vidic foi o outro). Aos 29 anos, Vincent ainda vem sendo o capitão dos "Citzens", assim como ídolo da torcida. Pela Seleção Belga, foram 60 partidas até o momento, sendo o capitão desta boa geração. Disputou as Olimpíadas de 2008 e a Copa do Mundo de 2014. Kompany também "faz bonito" fora das quatro linhas, ajudando crianças carentes do país de seu pai, o Congo, investindo em projetos que visam proporcionar educação, moradia e segurança. Também é dono do clube de futebol FC Bleid, na qual busca dar oportunidades a jovens que vivem na pobreza no esporte.  


8 - Eden Hazard: Um dos melhores jogadores da atualidade. Hazard é veloz, habilidoso e diferenciado. Com apenas catorze anos, foi descoberto por um olheiro do Lille na Bélgica, sendo então levado ao clube francês. Cresceu ainda mais tecnicamente nas categorias de base do clube, chegando ao profissional em 2007. Na temporada seguinte, Eden conquistou a titularidade e fez um ótimo Campeonato Francês, tanto é que conquistou o prêmio de revelação. Na mesma competição, um ano depois, recebeu o prêmio de melhor jogador. Venceu  a Copa da França e a Ligue 1 2010/2011 com o Lille, sendo este o terceiro título francês da história do time. Após ter inúmeras propostas de grandes clubes europeus rejeitadas, como a do Real Madrid e do Arsenal, o Lille aceitou a oferta de quase R$ 175 milhões oferecida pelo Chelsea, liberando o belga. Desde 2012, Hazard é o grande craque do Chlesea, conquistando a Liga dos Campeões 2012/2013, a Copa da Liga e a Premier League 2014/2015, esta última sendo o melhor jogador do torneio. Hazard tem tudo para ser o maior jogador belga de todos os tempos, contudo ainda lhe falta sucesso com sua Seleção e mais experiência. Na Copa do Mundo de 2014, decepcionou, porém ainda é um jovem jogador e pode brilhar nas próximas edições da maior competição do futebol mundial.


7 - Joseph Mermans: Um dos maiores artilheiros da história do Anderlecht, dotado de uma finalização fora do comum e chutes muito fortes, tanto é que ficou conhecido como "Bomber", pelas bombas que soltava com seu pé direito. Iniciou no pequeno Tubantia FAC, destacando-se por cinco anos no clube. O Anderlecht percebeu o talento do atacante, contratando-o em 1942. Com uma grande média de gols, encantou os torcedores da equipe e o mundo todo. Propostas chegaram de todos os cantos da Europa: Atalanta, Lazio, Torino, Roma, Real Madrid, Atlético de Madrid e Nimes, mas nenhum valor do mundo na época conseguiu tirar o belga do Anderlecht. Na temporada de 1947, marcou 38 gols no Campeonato Belga, faturado por sua equipe, assim como nos anos de 1949, 1950, 1951, 1954, 1955 e 1956. No fim de sua carreira, jogou ainda no Merksem SC, clube de sua cidade natal. Pela Seleção Belga, jogou 56 vezes, marcando 27 gols. Esteve no elenco que disputou a Copa do Mundo de 1954, atuando em dois jogos. Após "pendurar as chuteiras", foi político e técnico de futebol. Faleceu em 1996 e recebeu a homenagem do Merksem SC, que batizou seu estádio com o nome do ex-atleta.


6 - Michel Preud'homme: Quando falamos em um goleiro completo, ele precisa reunir boa saída com as mãos, elasticidade, agilidade, impulsão e liderança. Preud'homme possuía todos estes atributos e pode ser considerado um dos melhores goleiros europeus de todos os tempos. Logo aos dez anos de idade, começou a treinar no Standard Liège, time de sua cidade natal. Por ser mais baixo do que a maioria dos goleiros belgas, aperfeiçoou seus saltos e a elasticidade, conseguindo ser até superior a concorrentes pela posição com dez centímetros a mais. Estreou no time principal em 1977, quando tinha dezoito anos. Conquistou duas vezes o Campeonato Belga e uma Copa da Bélgica pela equipe, jogando cerca 283 partidas nos nove anos de Standard. Transferiu-se para o Mechelen em 1986, onde se consagrou como um dos maiores ícones da história do clube. Viveu o melhor período de títulos da equipe, conquistando um Campeonato Belga, uma Copa da Bélgica e a Supercopa da UEFA de 1988, derrotando o poderoso Ajax na final. Em 1994, Michel acertou com o Benfica, sendo o primeiro goleiro estrangeiro da história do time de Lisboa. Apesar de já estar veterano, 35 anos, esteve em grande forma. Rapidamente tornou-se ídolo dos "Encarnados", praticando verdadeiros "milagres", o que lhe rendeu o apelido de "São Michel". Foi campeão da Copa de Portugal em 1995, contudo não conseguiu vencer o Campeonato Português, lamentando-se até hoje. Em 1999, aos 40 anos, anunciou sua aposentadoria e recebeu uma belíssima homenagem do Benfica em um amistoso contra o Bayern, na qual 80.000 torcedores prestigiaram. Pela Seleção Belga, Preud'homme disputou 58 partidas, tendo como seu ápice a Copa do Mundo de 1994, vencendo na ocasião o prêmio de melhor goleiro do torneio. Desde 2013, Michel é técnico do Club Brugge, onde vem fazendo ótimo trabalho.


5 - Raymond Braine: Primeiro jogador profissionalizado da Bélgica e quinto maior artilheiro da Seleção. Disputou as Copas de 1930 e 1938, marcando ao todo 26 gols em 54 partidas pelos "Diabos vermelhos". Foi um atacante quase completo, que chutava com os dois pés, veloz, oportunista e técnico. Iniciou no Beerschot, clube que tinha seu irmão, Pierre Braine, como um dos melhores jogadores. Juntos, venceram três títulos do Campeonato Belga, sendo Raymond o artilheiro em duas oportunidades. Em 1930, recebeu uma tentadora proposta do Sparta Praga, da República Tcheca, tendo um contrato profissional. Os tchecos idolatram até o hoje os feitos de Braine, que conquistou dois títulos pela equipe e foi artilheiro nas duas oportunidades em que sagrou-se campeão. Marcou cerca de 120 gols em 106 partidas pelo Sparta Praga. No ano de 1936, resolveu retornar ao seu clube de coração, o Beerschot. Seu irmão já havia se aposentado, mas na companhia de outros grandes jogadores, Braine conquistou o Campeonato Belga mais duas vezes. Antes de se aposentar, ainda jogou uma temporada pelo La Forestoise, bom time belga da década de 40, mas que já "fechou suas portas". Morreu em 1978.


4 - Bernard Voorhoof: É o maior goleador da história da Seleção Belga, junto de van Himst, 30 gols, porém alcançou esta marca tendo jogado vinte partidas a menos que seu compatriota. Ainda atuando por sua seleção, disputou as Copas de 1930, 1934 (marcou dois gols) e 1938, além dos jogos olímpicos de 1928. Com dezoito anos de idade, estreou como profissional pelo Lierse SK, clube pelo qual tornou-se o maior ídolo da história. Atuou por 21 anos na equipe, marcando 350 gols em 529 jogos disputados. Além de ser o maior artilheiro de todos os tempos do Lierse, é também o jogador com o maior número de atuações. Seus títulos com a equipe foram três edições do Campeonato Belga (temporadas 1931/1932, 1940/1941 e 1941/1942). Em sua última temporada como profissional, defendeu o Montegnée. Faleceu em 1974, na mesma cidade onde nasceu, Lier.


3 - Paul van Himst: Maior ídolo do Anderlecht e maior artilheiro da Seleção Belga. Logo aos dezesseis anos de idade, estreou pelo time de Bruxelas. Conquistou doze títulos com o clube, entre eles o Campeonato Belga, em oito oportunidades, e a Copa da Bélgica, quatro vezes. Foi artilheiro em três edições do maior campeonato de futebol de seu país, assim como melhor jogador. Com 457 partidas e 236 gols marcados, é o jogador que mais vestiu a camisa do Anderlecht e o segundo maior artilheiro da história. Dotado de uma incrível técnica com a bola nos pés, tinha uma grande visão de jogo, ótima finalização e uma facilidade assustadora de driblar os defensores adversários, mesmo não sendo um jogador de muita velocidade. Com a Seleção Belga, disputou a Copa de 1970 e a Eurocopa de 1972. Marcou 30 gols pelos "Diabos vermelhos", sendo até hoje o recordista de gols ao lado de Voorhoof. Como treinador, Paul comandou o Anderlecht, o Molenbeek e a Seleção Belga, classificando esta última para a Copa de 1994, onde chegou até às oitavas de final.


2 - Enzo Scifo: Jogador muito habilidoso, de passes diferenciados e chutes certeiros, foi chamado de "Pequeno Pelé", quando ainda era um atleta das categorias de base do Anderlecht. Este filho de italianos, estreou como profissional em 1983, mas só conseguiu firmar-se titular dois anos depois, comandando o meio de campo do Anderlecht nos três títulos seguidos do Campeonato Belga (1985/1986/1987). Com um estilo de jogar futebol diferente de seus compatriotas, na qual reunia mais atributos técnicos do que a força, recebeu inúmeras propostas de toda a Europa, escolhendo a Inter de Milão como destino. Apesar da grande confiança recebida pelos torcedores e dirigentes da Internazionale, Enzo não conseguiu desempenhar um bom futebol, trocando a Itália pela França, onde atuou por Bordeaux e Auxerre. Teve grande sucesso no Auxerre, clube pelo qual é referenciado pelas duas boas temporadas que fez, marcando 25 gols. Em 1991, voltou à "Bota", assinando com o Torino. Scifo deu sequência a sua boa fase obtida na França e foi importantíssimo para a equipe de Turim na conquista da Copa da Itália de 1993. Em seguida, retornou para a França, acertando com o Monaco. Com atuações de "gala", tornou-se ídolo do clube do principado e sagrou-se campeão da Ligue 1 1996/1997. A equipe também contava com Henry, Trezeguet, Barthez, Sony Anderson e Petit. Veterano, Enzo resolveu retornar ao seu time de coração, o Anderlecht. Sem o mesmo "pique", mas com a mesma categoria de sempre, conquistou mais uma vez o Campeonato Belga. Com inúmeros problemas físicos, anunciou sua aposentadoria aos 35 anos. Pela Seleção Belga, Scifo disputou quatro Copas do Mundo (1986/1990/1994/1998), marcando dezoito gols em 84 internacionalizações. No momento, Scifo é o técnico da Seleção Belga sub-21.


1 - Jan Ceulemans: Meia de muita qualidade, tinha um bom passe, ótimas chegadas ao ataque, um excelente aproveitamento nas bolas aéreas e grande liderança, tanto é que seus companheiros o conheciam pelo apelido de "Capitão Coragem". Seu primeiro clube foi o Lierse, onde atuou em quatro temporadas e foi a grande revelação belga dos anos 70. Transferiu-se para o Club Brugge em 1978, onde viveu seus melhores momentos da carreira. Conquistou quatro títulos do Campeonato Belga, sendo eleito em três deles o craque da competição. Além disso, ainda conquistou duas Copas da Bélgica e cinco Supercopas. Recebeu propostas de grandes clubes da Europa, em especial do Milan, que "fez de tudo" para tirar o meia do Brugge, mas Ceulemans preferiu ficar em seu país mesmo com um salário menor. Pela Seleção da Bélgica, Jan é o recordista de atuações, 96 ao todo, com 23 gols anotados. Foi o maior destaque das campanhas de 1980 na Eurocopa, onde conduziu sua equipe até a final da competição, e das Copas do Mundo de 1982 e 1986, na qual marcou três gols e foi o capitão do grupo que chegou até às semi-finais do torneio disputado no México. Como treinador de futebol, dirigiu equipes como o Brugger e o Westerloo, e seu último trabalho foi no Deinze.


Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: