Aonde foi parar: Bordon


Zagueiro canhoto de muita força física, fez sucesso na Alemanha. Iniciou no Botafogo de Ribeirão Preto, mas antes mesmo de estrear como profissional acertou com o São Paulo. No Tricolor do Morumbi, viveu altos e baixos, mas eu particularmente achava um bom zagueiro. Se destacou em 1994, quando venceu a Copa Conmebol com o "expressinho tricolor", time formado por garotos da base do clube, sendo o capitão da equipe. Por ser muito raçudo, as vezes chegava atrasado em alguns lances e acabava sendo agressivo. Sua imposição física chamou a atenção do Stuttgart, que comprou o zagueiro brasileiro em 1999. Rapidamente conquistou a torcida e evoluiu muito tecnicamente, melhorando sua saída de bola, a disciplina tática, o cabeceio e principalmente os chutes de longa distância. Marcou muitos gols dessa maneira, cobrando faltas com muita precisão e potência. Chegou a marcar um hat-trick em uma partida contra o Werder Bremem. Pelo valor de 7 milhões de dólares, trocou o Stuttgart pelo Schalke 04. Foi mais ídolo ainda no clube de Gelsenkirchen, onde conquistou uma Copa da Alemanha e uma Copa da Liga Alemã. Ficou por seis anos no clube e foi muito homenageado quando se despediu para jogar no mundo árabe. Em 2011, após uma temporada no Al-Rayyan, anunciou sua aposentadoria. Hoje em dia, Bordon é um empresário de sucesso, com investimentos em vários ramos, como o imobiliário, o de automóveis e o esportivo. Sua academia recebeu a Seleção Francesa na Copa de 2014 em Ribeirão Preto. 

Em frente a sua academia em Ribeirão Preto

O inesquecível hat-trick de Bordon

Blog C. Fernando

Administrador; 26 anos; Católico; Apaixonado por Eduarda Guidarini; Fanático por futebol; Futebol bonito não é melhor que o eficiente; Penalti não é loteria, mas sim treinamento e competência; Torcedor do Avaí, Real Madrid e Fiorentina.

0 comentários: